Cronica JASC E JAIs

mf_aranha_site
Primeiramente devo me desculpar com o meus leitores, pois desde o lançamento do site é a primeira vez que descumpro a promessa de atualizar semanalmente o site. Justifico essa minha falta, com a agenda insana do mês de novembro, JASC, Jogos Abertos do Interior de São Paulo e agora essa viagem para o Uruguai para acompanhar a WFM Vanessa Feliciano. Para retomar as crônicas gostaria de fazer um balanço geral do JASC e dos Jogos Abertos do Interior de SP.

Começando pelo JASC 2012, tivemos sem dúvida uma das edições mais fortes de todos os tempos, contando com a presença de quatro GMs ,dois MIs  e quinze MFs na categoria absoluta e no feminino, cinco jogadoras que já integraram a equipe olímpica e a melhor jogadora brasileira da atualidade.

Na categoria absoluta, tínhamos, na minha opinião, quatro equipes candidatas ao título, que pra mim pela ordem de favoritismo eram: Joinvile (Giovanni Vescovi,Roberto Molina,Rodrigo Disconzi,Frederico Matsuura e Haroldo Cunha), Rio do Sul (Felipe El Debs, Lídio Delgado, Luciano Maia, Álvaro Aranha, Eduardo Marra, Acyr Calçado), Itajaí (Krikor Mekhtarian, Adwilhans Souza, Charles Gauche, Felipe Barreto) e Florianóipolis (Everaldo Matsuura, César Umetsubo, Sílvio Cunha , Kaiser Mafra,Daniel Brandão).

Desde o começo, a equipe de Florianópolis jogou de maneira bastante firme e além das boas atuações de seus dois principais jogadores, Everaldo e César, tiveram duas atuações espetaculares de Sílvio e Kaiser e ganharam o torneio de forma merecida, mesmo com uma derrota de 3 a 1 no último match contra Itajaí. Em segundo ficou Joinvile que fez um  ponto a menos que a campeã, e perdeu as chances no confronto direto, quando perdeu um match de maneira surpreendente para os campeões.

Em terceiro ficou a equipe de Rio do Sul, cidade pequena de Santa Catarina que vem se firmando com resultados consistentes nos últimos anos. Confesso que tinha muita esperança que ganhássemos o torneio,pois além de ter uma equipe muito homogênea, tivemos como reforço de última hora o GM Felipe El Debs que parece incapaz de jogar mal quando joga por equipes. O nosso sonho do título ficou comprometido pelo nosso fraco desempenho nos confrontos diretos. Contra Floripa, conseguimos 1,5 nos primeiros 3, eu sofrendo uns cem lances de pretas para segurar o César Umetsubo, mas na partida onde éramos mais favoritos e depois de contar com vantagem decisiva na abertura, Luciano tomou um golpe e Kaiser decidiu o match a favor deles. No match contra Itajaí a responsabilidade era minha de brancas contra Gauche, mas joguei minha pior partida no torneio e empatei sem ter muita chance,e com isso empatamos 2 a 2. No match contra Joinvile, tivemos todas as chances de ganhar,mas eu e Marra transformamos duas posições ganhas em meio ponto, eu perdendo pro Disconzi e ele empatando com Molina e desta maneira o desenhado 2,5 a nosso favor, virou contra.

Falando de mim especificamente, depois de um show de horrores na semifinal, gostei do meu torneio, tirando a partida contra o Gauche onde eu joguei um e4 horripilante! Apesar de ter perdido minha invencibilidade desde 2008 no JASC gostei bastante da minha partida contra o Disconzi que acho que dominei até o finalzinho onde levei um golpe por falta de profilaxia. As partidas contra o Sperb, Denison e César também me agradaram e me deixam otimista para os próximos torneios.

No feminino a vitória esperada e merecida da favorita Florianópolis, jogando firme do começo ao fim a equipe formada por (Suzana Chang, Marciane Prior, Amanda Dull , Karina Kanzler e Karoliny da Cruz) não esteve pior em nenhum dos 7 matchs que disputou. A surpresa foi a equipe de Rio do Sul que antes do torneio,na minha opinião era a quarta força, e graças a uma atuação perfeita da sua líder Vanessa Feliciano com 7 em 7, e uma surpreendente atuação de Bruna Oliveira que fez incríveis 6,5 em 7 (só deixando um empate em uma posição que esteve ganha contra a WFM Suzana Chang) superou as mais cotadas, Joinvile e Blumenau. É importante frisar que no match decisivo empatou com a favorita Florianópolis mas ficou em segundo pela melhor campanha das adversárias na primeira fase. Completou o pódio a cidade de Concórdia que apesar de ter perdido algumas de suas principais jogadoras, se superou e ganhou de Blumenau a decisão pelo bronze. Resumindo minhas sinceras congratulações a Floripa que fez barba e cabelo, fato muito raro de acontecer em um JASC tão equilibrado.

Infelizmente por um regulamento que dificulta a vida dos profissionais de xadrez, nos JAIs tive que participar apenas como treinador, já que a cidade de Ribeirão Preto não caiu como planejado na Categoria Especial, e dessa maneira fiquei irregular para participar como jogador. Como eu já havia escrito no texto retrospectiva do xadrez brasileiro 2011, os dirigentes que poderiam mudar esses regulamentos não estão muito preocupados com isso. Além disso, vale ressaltar a manobra que aproveita uma brecha no regulamento que Presidente Prudente faz para que um de seus jogadores jogue com Grandes Mestres, e dessa maneira a Categoria Especial não conta com as 6 melhores equipes.Voltando ao torneio, Ribeirão com uma atuação quase perfeita do lendário Gabriel Name quase ficou com o título da primeira divisão.Depois de ter uma posição ganha no tabuleiro e no tempo contra o jogador de Rio Preto, o sérvio Dragan Stamenkovic,o jogador riberopretano que havia vencido os dois confrontos anteriores (contra Luis Araújo e Máximo Iack) acabou levando mate em uma posição que o adversário tinha 20 segundos no relógio e dessa forma o título ficou de forma merecida com a cidade de São José do Rio Preto. Na Especial, vitória esperada de Americana,com destaque para a bela vitória de Fier sobre Mequinho. Completaram o pódio São Bernardo com a prata, e Pinda com o bronze. No feminino livre, Americana repetiu a dose surpreendendo a favorita São Caetano que ficou com a prata e Pinda levou o bronze. Fica a expectativa para as prováveis mudanças de regulamento pro ano que vem que tendem a melhorar a situação dos profissionais de xadrez em SP. Ainda hoje estarei escrevendo um resumo do Pan feminino até aqui e comentando uma das partidas da representante brasileira a WFM Vanessa Feliciano.

Um comentário em “Cronica JASC E JAIs

  • 26 de janeiro de 2013 a 15:45
    Permalink

    Atendendo a um justo pedido do enxadrista Marcelo Pomar, cito aqui os nomes dele e de Camila Evaristo da Silva como integrantes das equipes campeãs de Florianópolis. Realmente uma equipe se faz de titulares e reservas e muitas vezes os reservas são muito importantes em termos de ambiente, preparações e etc, mesmo que não tenham jogado. Justifico não tê-los citado, como não citei vários outros integrantes pois me ative aos que jogaram pelo menos uma partida, e também se citasse todos os atletas das equipes citadas o artigo ficaria gigantesco. Mas no caso dos campeões vale o adendo! Parabéns a toda equipe de Floripa!

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *