Entrevista com o MI Roberto Molina

Molina 1

O portal Xadrez Total entrevista com exclusividade o Mestre Internacional Roberto Molina que com a vitória da última rodada do Magistral Oscar Panno contra o MF chileno Pablo Salinas, chegou a pontuação de 6,5 em 9, atingindo perfomance de 2601, necessários assim para obtenção de sua primeira norma de Grande Mestre.

Nome: Roberto Junio Brito Molina
Título: Mestre Internacional
Rating: 2399

Xadrez Total: Como foi a sua preparação para esse torneio, e quais as partidas que você considerou essenciais para alcançar norma?

MI Roberto Molina: Minha preparação específica foi bem no improviso já que apareceu esta oportunidade bem em cima da hora, mas como já vinha fazendo um trabalho de preparação bem intenso pra jogar os torneios na Bulgária em Junho acabou que não foi tão difícil adaptar uma preparação com a outra. E claro o estudo constante de xadrez é importante. Eu pelo menos tento todo dia respirar xadrez nem que seja um pouco.

As partidas importantes destaco três: Ricardi que me deu um bom impulso no torneio, Perez Ponza que tive que segurar um final que me compliquei e Salinas que foi a partida final.

Xadrez Total: Além de você o Mestre Internacional Carlos Obregón, também conseguiu a norma de GM, vencendo o torneio com 8 em 9. A partida entre vocês na penúltima rodada teve a vitória dele, que naquele momento alcançou a norma, como você se recuperou dessa derrota, para no dia seguinte, precisar vencer para conseguir a norma?

MI Molina: Depois desta derrota passou na minha cabeça todo tipo de sentimento, tantos negativos como positivos. Foi a noite mais dura do torneio, mas acho que quando o sol raiou consegui colocar a cabeça no lugar e focar na vitória.
Com isto entrei pra partida com o pensamento de ganhar e não pensava em falhar neste objetivo!

Xadrez Total: O torneio teve a presença de três GMs, Federico Perez Ponsa, Pablo Ricardi e Andrés Rodriguez, como foi enfrentá-los, já havia os enfrentado anteriormente?

MI Molina: Já havia jogado com Perez Ponsa e Andrés, Ricardi só na internet em blitz [risos]
Com Perez Ponsa joguei se não me engano poucas vezes, acho que uma derrota e o resto empate.

Já com Andrés meu score é bem ruim, mas neste torneio mandei bem contra ele.

Xadrez Total: Como vai ser sua rotina de estudos de agora em diante?

MI Molina: Como tenho já três embates duros na Bulgária agora mesmo em Junho, a rotina de treinos tem que intensificar! Nada de descanso! Estudar, estudar e estudar!

Xadrez Total: Quais torneios pretende participar no segundo semestre?

Depois da Bulgária vem o II Bienal João Braga em São Paulo, Jogos Regionais de São Paulo e talvez Maringá  e/ou Registro-SP, depois disto ainda vou ver, porque tem muito chão até aí!

Xadrez Total: Você largou a faculdade de engenharia mecânica pelo xadrez? Conte-nos como foi isso.

MI Molina: Uma decisão como esta não foi fácil de tomar, mas chegou uma hora que não via como seguir nos dois com qualidade e com isto não pensei duas vezes e segui meu sonho no xadrez. Futuramente espero fazer um curso superior sim, ainda não sei qual, mas algo que não me atrapalhe no xadrez e que consiga seguir firme nos dois objetivos.

Xadrez Total: Além de jogador, você também é treinador e dá aulas pela internet, como você concilia isso.

MI Molina: Primeira coisa é ter uma boa disciplina nos horários, pois o tempo passa voando. Sempre tento fazer com que as aulas não atrapalhem meus estudos pessoais, mas admito que não é fácil. Mas graças a Deus venho conseguindo conciliar tudo muito bem!

Obregon x Molina

Xadrez Total: Qual sua opinião com relação ao desenvolvimento do xadrez no Brasil.

MI Molina: Acho que está se desenvolvendo bem, apesar de que podia ser mais acelerado. O grande problema que vejo muitas vezes é sobre dar continuação em determinados projetos, sejam escolares ou de alto-rendimento.

Mas fazer xadrez ou qualquer outro esporte no país do futebol é bem difícil! O importante é não desistir no primeiro obstáculo.

Xadrez Total: Como foi o seu desenvolvimento no xadrez?

MI Molina: Comecei de certa forma meio tarde em relação a muitos, com sete anos aprendi a mexer as peças com meus pais, mas só com doze anos que fui saber o que é um golpe tático, mas com quinze anos que posso dizer que tudo realmente começou, pois foi nesta época que disputei primeiros torneios importantes, tais como Mineiros e Brasileiros Sub-16 e Sub-20. Daí em diante, tive uma rápida evolução eu acho, mas em alguns momentos por motivos diversos esta evolução diminuiu daí depois acelerava de novo, enfim, cheio de altos e baixos, mas mesmo assim acho que fiz o que tinha que ser feito, apesar de que poderia por exemplo ter virado MF antes de 2006, MI antes de 2010 e quem saber até já ter feito normas de GM antes de 2013, mas tudo vem no seu devido tempo e por isto não reclamo! Só sei que acho que estou em uma fase bem motivada para estudar e jogar xadrez, ainda mais com esta Norma de GM!

Xadrez Total: Quais seus principais títulos?

MI Molina: Além do título de Mestre Internacional, destaco o Tetracampeonato Mineiro (2006, 2008, 2011 e 2012), Campeão Brasileiro Universitário em 2004 e Bi-Campeão do JASC (2010 por Concórdia e 2011 por Joinville).

Xadrez Total: Anand ou Carlsen? E por quê?

MI Molina: Carslen pela juventude e pela enorme gana de ganhar que está tendo, já que para ele não existe posição morta!
Claro que Anand vai deixar a tarefa de Carlsen bem difícil, mas eu acho que Magnus fatura esta e com sobra até!

Molina recebendo certificado da Norma de GMd

Xadrez Total: Recentemente no II ICC Open, você se classificou para a fase final, sendo vice-campeão, onde participavam mais de quinhentos jogadores, em sua maioria titulados. Na fase final onde participavam oito jogadores em partidas eliminatórias acabou perdendo a semifinal para o GM Hikaru Nakamura, por 2,5 a 0,5, terminando o torneio em 3º/4º Lugar. Como foi esse torneio e como foi jogar contra o americano, considerado por muitos o melhor jogador de blitz da atualidade.

MI Molina: Na fase classificatória joguei por jogar, mas quando foi se aproximando do final vi que podia chegar mais longe daí me foquei mais e consegui segurar a vaga, inclusive na última em uma partida ganha deixei escapar e fiquei em 2º, mas achei ótimo assim mesmo!

Já na fase seguinte enfrentei um indiano que colocou certos problemas nas duas primeiras partidas, mas mesmo assim consegui ganhar bem as outras duas e fazer um placar tranquilo de 3 a 1. Já contra Nakamura, primeiramente é sempre algo fantástico jogar com um Top-20 do Mundo e que está atualmente no Top-10, apesar da arrogância que ele mantem fora das 64 casas, dentro do tabuleiro não tem muito problema. Joguei este match tentando fazer o meu melhor, mas sempre sabendo que a tarefa beirava o impossível, consegui boas posições, mas a superioridade técnica dele prevaleceu. Mas sem duvida nenhuma que achei uma incrível experiência!

Quero agradecer ao Mauro por esta oportunidade de falar um pouco de mim e espero que possam torcer bastante pela ‘’delegação’’ sul-americana que vai jogar na Bulgária que são por ordem de rating:

GM Sandro Mareco, GM Krikor Mekhitarian, eu e o MF Luiz Guilherme Abdalla!

E espero que possa buscar ao menos uma norma de GM mais ou quem sabe as duas de uma vez!

Entrevista concedida à AF Vivian Heinrichs e Guilherme Moraes.

 

2 comentários em “Entrevista com o MI Roberto Molina

  • 26 de maio de 2013 a 21:58
    Permalink

    Parabéns ao Molina pela conquista, e nós de Joinville ficamos muito felizes pela sua constante presença em nossa cidade, nos torneios e especialmente a humildade em sua conduta, demonstrada nas bem traçadas linhas dessa entrevista, o que mostra que irás muito longe ainda, amigo, persevere sempre! Forte abraço!

    Responder
  • 9 de setembro de 2013 a 20:13
    Permalink

    Parabéns. Meus filhos João Pedro e Luiz Otávio, fazem aulas com a sua mãe. (?) no colégio Logosófico. Fico muito feliz com a vitória de vocês.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *