História dos torneios de Norma no Brasil – Parte I

Antes do Circuito Magistral Comunic, no Brasil, existiam em média um torneio de norma de MI a cada dois ou três anos.

Haviam, na época, dezenas de jogadores fortes, com muita vontade de progredir, e que tinha pouca, ou nenhuma oportunidade.

Os torneios no Brasil, em sua imensa maioria, eram abertos, e os poucos fechados, eram apenas IRTs.

Eu, na época, apenas um jovem árbitro nacional, comecei a receber consultas de alguns contemporâneos, me perguntando por que eu não fazia um torneio de norma de MI.

Eu não tinha muita idéia de como se fazia um torneio deste nível. Embora já tivesse arbitrado um fortíssimo torneio de norma de GM, o tradicional Memorial Capablanca, em Cuba, no ano 2000, pois lá, recebi tudo montado e pronto, das mãos do famoso AI cubano Serafin Chuit.

Arregacei as mangas e fui em frente. Conversei com o meu amigo AI Marius van Riemsdijk para conhecer as complicadas questões técnicas, e com o GM Darcy Lima, então presidente da CBX, para homologar os torneios junto àquela entidade, e à FIDE.

A maioria das pessoas com quem eu falava, demonstrava total incredulidade.

Cheguei a ouvir, em tom de deboche:

– Você quer fazer um circuito de torneios de norma de MI no Brasil, e sem patrocínio ?!

Teve até um MF cara de pau que foi perguntar ao GM Darcy se era verdade “aquilo”…

Quando o torneio já estava quase pronto, sem nenhuma chance de conseguir patrocínio, eu decidi que colocaria o nome da empresa da minha família, Comunic, mas me faltava um nome…

Ainda não era popular o termo “ITT”, e eu não sabia como se chamaria o torneio, até que, faltando poucos dias, durante a Copa Itaú, no CXSP, chega para mim um garotinho de pouca idade, e me pergunta, em espanhol mesmo:

– Como se llama tu Magistral ?

Pronto, era isto que faltava !

Magistral Comunic ! …respondi eu, com felicidade.

Mal sabia o garoto, que ele mesmo acabava de completar o nome do torneio !

Mal sabia eu, que ele viria a ser um Grande Mestre de Xadrez !

GM Axel Bachmann, do Paraguai.

A história mostra o que aconteceu. Um lindo torneio, categoria III, onde o GM favorito não venceu, e a vitória veio para o talentoso MF de Rondônia, Ricardo Benares, com o objetivo alcançado, a norma de MI !

I Magistral Comunic de Xadrez

Clube de Xadrez São Paulo, 7 a 13 de outubro de 2002.
Diretor: AI Marius van Riemsdijk
Árbitro principal: AN Mauro Amaral

Visualizador de Partidas Arquivo PGN

# Nome T ELO País 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Pts
1 Benares, Ricardo f 2307 0 ½ ½ ½ 1 1 1 1 1
2 Rodríguez, Andrés g 2493 1 ½ 1 0 ½ ½ 1 ½ 1 6
3 Lebredo, Gerardo m 2316 ½ ½ 1 ½ ½ ½ ½ 1 ½
4 Coelho, Luís Henrique f 2372 ½ 0 0 1 ½ 1 1 1 ½
5 Rocha, Wellington 2423 ½ 1 ½ 0 ½ ½ ½ 1 1
6 Marques, Vinicus f 2342 0 ½ ½ ½ ½ ½ ½ ½ 1
7 Valiente, Cristóbal m 2330 0 ½ ½ 0 ½ ½ ½ 1 1
8 Vera Insfrán, Jorge 2191 0 0 ½ 0 ½ ½ ½ ½ 1
9 Chang, Suzana 2147 0 ½ 0 0 0 ½ 0 ½ 1
10 Rosa, José Antonio 2133 0 0 ½ ½ 0 0 0 0 0 1

RM = 2305,4 – Cat. III
MI = 6,5 – WGM = 6 – WIM = 4

Algo que hoje parece óbvio, mas na época não era: O torneio foi para a FIDE, os pontos valeram, o MF Benares recebeu seu certificado de norma de MI.

Não sei o que sentiram aqueles que falaram que o torneio não ia nem acontecer, ou que não ia valer rating FIDE…

Em breve, publicaremos a sequência da História dos torneios de Norma no Brasil em www.xadreztotal.com.br

AI Mauro Amaral
Editor

Veja também:

História dos torneios de Norma no Brasil – Parte I

História dos torneios de Norma no Brasil – Parte II

História dos torneios de Norma no Brasil – Parte III

História dos torneios de Norma no Brasil – Parte IV

História dos torneios de Norma no Brasil – Parte V

História dos torneios de Norma no Brasil – Parte VI

12 comentários em “História dos torneios de Norma no Brasil – Parte I

  • 10 de janeiro de 2011 a 21:31
    Permalink

    Gostei muito da postagem!
    continue com as historia dos torneios… Estou curioso sobre o que já aconteceu.

    Ronielly Coelho

    Responder
  • 10 de janeiro de 2011 a 21:31
    Permalink

    Gostei muito da postagem!
    continue com as historia dos torneios… Estou curioso sobre o que já aconteceu.

    Ronielly Coelho

    Responder
  • 17 de janeiro de 2011 a 15:50
    Permalink

    Muito boa a matéria, resgata a história dos torneios de normas do nosso Brasil. Estarei esperando a continuação da materia…

    Carlos André

    Responder
  • 17 de janeiro de 2011 a 15:50
    Permalink

    Muito boa a matéria, resgata a história dos torneios de normas do nosso Brasil. Estarei esperando a continuação da materia…

    Carlos André

    Responder
  • 19 de janeiro de 2011 a 18:38
    Permalink

    Olá amigos….
    nunca imaginava que os magistrais Comunic foram realizados debaixo de tanta pressão e ceticismo, mas agora vejo como que o nosso xadrez começou a evoluir na questão técnica e na obtenção de normas.Parabéns pelo belíssimo trabalho e já ansioso para saber o desfecho desta maravilhosa história.
    Abraços

    Responder
  • 19 de janeiro de 2011 a 18:38
    Permalink

    Olá amigos….
    nunca imaginava que os magistrais Comunic foram realizados debaixo de tanta pressão e ceticismo, mas agora vejo como que o nosso xadrez começou a evoluir na questão técnica e na obtenção de normas.Parabéns pelo belíssimo trabalho e já ansioso para saber o desfecho desta maravilhosa história.
    Abraços

    Responder
  • 24 de fevereiro de 2011 a 22:26
    Permalink

    Parabéns!!

    Excelente série de artigos!

    Responder
  • 24 de fevereiro de 2011 a 22:26
    Permalink

    Parabéns!!

    Excelente série de artigos!

    Responder

Deixe uma resposta para Raul Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *