História dos torneios de Norma no Brasil – Parte V

Conforme relatado anteriormente, comecei a planejar o Magistral Comunic VIII, assim que acabou o Comunic VII em junho.

Desta vez, o desafio era manter a categoria V da FIDE, neste que seria meu quinto Magistral Comunic no mesmo ano, um verdadeiro record para a época!

Nesta época, se disputava a olimpíada da FIDE de Calviá, na Espanha, portanto, era mais difícil contar com GMs estrangeiros.

VIII Magistral Comunic

Clube de Xadrez São Paulo, 14 a 21 de outubro de 2004
Diretor: AI Marius van Riemsdijk
Árbitro principal: AN Mauro Amaral


D/E (L/R) Em pé: MF Fernandez (EUA) MF Santos, MF Sega,
MF Rodi (Argentina) AI Mauro Amaral (Organizador) , MF Tsuboi, D´Israel (Argentina).
Sentados: MI Crosa (Uruguai) MF Haro, MI Matsuura, MI Souza.

Arquivo PGN

#
Nome
T ELO País 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Pts
1 Fernández, Daniel f 2391 0 = = 1 1 1 0 1 1 6
2 Santos, Marcus Vinicius f 2334 1 0 1 = = 0 1 = 1 5,5
3 Matsuura, Everaldo m 2474 = 1 = = = 0 = 1 1 5,5
4 Crosa, Martín m 2400 = 0 = 1 1 1 = 0 = 5
5 de Souza, Mauro m 2373 0 = = 0 1 = = 1 1 5
6 Rodi, Luis Ernesto 2297 0 = = 0 0 1 1 1 1 5
7 Haro, Paulo Cezar f 2263 0 1 1 0 = 0 = = 1 4,5
8 Tsuboi, Edson f 2387 1 0 = = = 0 = = = 4
9 Sega, Carlos Alberto 2327 0 = 0 1 0 0 = = = 3
10 D’Israel, Davy Maurice 2267 0 0 0 = 0 0 0 = = 1,5

RM = 2351,3 – Cat = V – m = 6

 

Vista do salão de jogos com os 10 jogadores do Magistral

 

Duelo dos MIs Matsuura 0,5×0,5 Crosa na sexta rodada

Norma de MI para o folclórico Danny Fernadez, peruano radicado nos EUA, que hoje é MI.

Pode-se dizer, que o amigo MI uruguaio Martin Crosa, naquela época, vivendo em São Paulo, preferiu receber cachês em reais, para jogar o Comunic, do que jogar de graça pelo seu país, em Calviá.

Outro fato interessante, é que, nesta mesma olimpíada, a FIDE concedeu meu título de árbitro internacional, no dia 30 de outubro, logo, este foi meu ultimo torneio atuando como AN.

Naquela época, a FIDE ainda não havia criado o título de Árbitro FIDE, AF, logo, nunca fui AF, passando direto de AN para AI.

Quando saiu meu título, naquela listagem de AIs aprovados, eu me destaquei duplamente. Fui o mais jovem entre todos os novos AIs daquele ano, e tinha acumulado mais de vinte [!!!] normas, inclusive algumas, fora do Brasil.

Veja também:

História dos torneios de Norma no Brasil – Parte I

História dos torneios de Norma no Brasil – Parte II

História dos torneios de Norma no Brasil – Parte III

História dos torneios de Norma no Brasil – Parte IV

História dos torneios de Norma no Brasil – Parte V

História dos torneios de Norma no Brasil – Parte VI

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *