História dos torneios de Norma no Brasil – Parte VI

Com este artigo, encerramos a série História dos torneios de Norma no Brasil.

No ano de 2005, realizei mais um Magistral Comunic, o de número IX. Desta vez, inovamos, fazendo o torneio com doze jogadores, pois a demanda já era maior.

IX Magistral Comunic

Clube de Xadrez São Paulo, 22 a 30 de outubro de 2005
Diretor: AI Marius van Riemsdijk
Árbitro principal: AI Mauro Amaral

Visualizador de PartidasArquivo PGN


RM = 2327,83  – Cat = IV

O torneio foi vencido pelo MI [com 3 normas de GM] paraguaio José Cubas, que superou nos critérios de desempate, ao amigo MI Nahuel Diaz, da Argentina.

Este torneio, consagrou o MI americano-argentino Robert Hungaski, que fez sua ultima norma de MI, com indiscutíveis sete pontos e meio, em onze rodadas.

Para se ter uma idéia do nível do torneio, o ultimo colocado, foi o Damian Lemos, que hoje é GM de mais de 2550, mas esta foi sua primeira viagem sem seu pai, ele ficou inseguro, e isto acabou afetando muito seu jogo. Até hoje, Lemos diz que gostaria de ter a chance de jogar mais um Comunic, para apagar a má impressão deixada.

Em pé – E/D: MF Tsubói, MF Haro, MF Gonzalez, Marra, AI Mauro Amaral [Diretor do Magistral], MI Cubas (Paraguai), D´Israel (Argentina), MF Santos. Agachados – E/D: MI Souza, MI Diaz (Argentina), MF Hungaski (EUA), Lemos (Argentina) e Galati.

O famoso GM Henrique Mecking, o “Mequinho” é presença constante nas rodadas do Magistral Comunic IX ! – Analisando com o jovem argentino Damian Lemos e com o MF Marcus Vinicius Santos. – Foto: AI Mauro Amaral

Até hoje, muita gente me pergunta, porque o Magistral Comunic não teve sequencia.

Depois do Comunic IX, os torneios de norma de MI passaram a ser populares no Brasil, então, o Circuito, cumpriu sua missão!

Até aqui, recebemos milhares de visitas específicas aos artigos, dentro do portal Xadrez Total, e dezenas de comentários. Desde feitos por mestres, que participaram dos Comunic, até de pessoas que não conheciam sequer, o fato de que o Magistral Comunic marcou época no nosso xadrez, possibilitando que muitos fizessem norma de MI e até de WGM, e assim, mudassem o rumo de suas carreiras enxadrísticas, – porque não – de suas vidas.

Veja também:

História dos torneios de Norma no Brasil – Parte I

História dos torneios de Norma no Brasil – Parte II

História dos torneios de Norma no Brasil – Parte III

História dos torneios de Norma no Brasil – Parte IV

História dos torneios de Norma no Brasil – Parte V

História dos torneios de Norma no Brasil – Parte VI

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *