Entrevista com o GM Krikor Mekhitarian

Nome: Krikor Sevag Mekhitarian
Título: Grande Mestre Internacional
Idade: 23 anos

Guiga: Você iniciou a jogar xadrez com que idade? Teve professores quando iniciou?
Krikor: Aprendi aos 6,7 anos com meu pai. Depois de ficar jogando somente com ele, durante um bom tempo, tive meu primeiro professor aos 7 anos, mas casualmente fui participar da primeira competição escolar aos 10 anos.

Guiga: Quais são suas conquistas no xadrez até o momento, e qual considera a mais difícil?
Krikor: Vice-campeão Mundial por Equipes Sub-16 e melhor tabuleiro (2001); 5 vezes Campeão Paulista de categorias; Bicampeão Brasileiro Juvenil (Sub-20 em 2003 e 2004). A melhor e a mais difícil de todas foi o 3º Lugar no recente Campeonato Brasileiro Absoluto (Americana – SP).

Guiga: Como é sua rotina de treinamento para as competições?
Krikor: Geralmente antes das competições, tento analisar os adversários e escolher possíveis posições a serem jogadas com ele, para poder trabalhar em cima delas. Mas a princípio não muda muito a rotina perto ou longe das competições, tirando a motivação, que às vezes pode melhorar o rendimento. Basicamente ver partidas, reforçar o cálculo (que vem sendo uma das falhas em minhas partidas) e estar bem preparado nas aberturas.

Guiga: Qual considera a melhor partida jogada pro você até hoje? E por quê?
Krikor: Certamente a vitória de pretas contra o Rafael Leitão, no Brasileiro agora. Não somente pela partida, que de fato foi correta em sua maior parte, mas sim por eu ter perdido a primeira rodada, sem nenhuma reação de brancas contra o Diamant. Acredito ser muito importante o poder de reação em situações que você fica pra baixo nos torneios.

Guiga: Com certeza! E falando no Brasileiro em Americana, como foi sua reação após o Matsuura abandonar a partida, e você atingir sua primeira norma de GM?
Krikor: Foi uma sensação engraçada, porque eu não esperava que ele fosse abandonar tão cedo (embora o final esteja ganho). Logo após, reinou a sensação de alívio, de ter conseguido algo que eu buscava a cerca de 3, 4 anos . Esse foi apenas o primeiro passo, mas certamente um peso que saiu de minhas costas.

Guiga: Quais serão os próximos eventos que pretende participar ao longo de 2010?
Krikor: Jogarei o Aberto da Festa da Uva, em Caxias do Sul, pra dar um sufoco no Ivanchuk (rs); o Internacional Mário Covas no 1º semestre; e talvez eu vá com o Fier pra Europa, um pouco antes do meio do ano para jogar alguns torneios na Espanha, mas nada certo ainda. E o Mundial Universitário na Suiça, em Setembro de 2010. Sem contar, é claro, a Final do Brasileiro Absoluto, para o qual classifiquei ficando em 3º em 2009.

Guiga: Anand ou Topalov?
Krikor: Topalov

Guiga: Uma mensagem final à todos os leitores, e aos jogadores que torcem por você.
Krikor: Boa sorte à todos que estudam, jogam ou simplesmente gostam de xadrez, e que acompanham o cenário nacional e internacional de torneios. Para quem quer evoluir no jogo, só lembrem uma coisa: talento é capacidade de trabalho. E pra quem torce, sempre agradeço a força do público que tanto me incentiva, e alerto que torcedor meu tem que sofrer pra dar certo (rs).

Publicado por Guilherme Moraes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *