MF Aranha comenta partida contra R. Batista

MF Álvaro Aranha (2301) – Renato Batista (2183) [E74]

IRT Hebraica , 19 de janeiro de 2011

Visualizador da PartidaDownload PGN

 

[Comentários: MF Álvaro Aranha]

Todo enxadrista já passou pela experiência de, em um determinado torneio onde as coisas parecem que não andam bem, apelar para algum tipo de superstição. Eu estava jogando o IRT da Hebraica, e desde o sorteio, onde peguei o número 5, que dobra pretas nas duas primeiras rodadas, as coisas pareciam não andar bem para o meu lado. Como a minha partida com o MF Eduardo Marra pela terceira rodada tinha sido adiada, joguei três partidas seguidas de pretas, e não consegui mais que três empates contra Palozi, Davy D’Israel e Florência. Quando fui jogar a minha primeira partida com as brancas, estava sem confiança e apelando para todo tipo de superstição. Foi quando me ocorreu a ideia de usar a caneta que me foi dada pelo meu ídolo enxadrístico, Vladimir Kramnik, durante a última olimpíada. O presente inesperado se deu, pois na hora de pedir um autógrafo no livro de partidas dele, me faltou uma caneta, que ele mesmo providenciou, e ao final, quando fui devolver, ele disse: ” you can take it”. Pretendia deixar a caneta sem uso, como um souvenir inesquecível, mas, a necessidade falou mais alto. Pensei: A caneta do “homem” não deve anotar lance fraco! Além de tudo, o dia 19 de janeiro era muito especial para mim, pois há exatos vinte anos, eu joguei o meu primeiro torneio de xadrez, no querido CXSP. Com todos estes ingredientes, fui para a partida com muita vontade de ganhar.

1.d4 Nf6 2.c4 Na preparação da partida, a Eslava, o Gambito da Dama aceito e a Grunfeld eram as possibilidades que considerei.

2…g6 3.Nc3 Bg7 A Índia do Rei veio como uma surpresa agradável, era uma boa oportunidade de homenagear o Kramnik que tem score devastador contra essa defesa.

4.e4 d6 5.Be2 0–0 6.Bg5 Essa variante se chama Averbach,em homenagem ao grande jogador e teórico Yuri Averbach. A idéia dessa variante é evitar o violento ataque das pretas que se dá na variante Clássica. Eu tenho praticado essa variante com bons resultados nos últimos anos. Vários de meus alunos também conseguiram boas vitórias com essa arma entre eles, Vanessa Gazola, Rodrigo Jukemura, Thiago Dobuchak, Klaus Gotz e Daphne Jardim. Rodrigo Jukemura foi o primeiro aluno para quem eu mostrei essa variante, e ele teve resultados tão bons com ela, que quando eu perguntava como ele tinha ido, ele respondia: “joguei uma Averbach”, que para ele era sinônimo de vitória.

6…c5 [6…Na6 É considerado o principal. 7.Qd2 e5 8.d5 Nc5 9.f3 foi jogado em Aranha-Larrea, Asuncion 2008, e terminou com uma boa vitória das brancas.]

7.d5 h6 8.Be3 [8.Bf4 É uma opção mais ambiciosa. 8…e6!? 9.dxe6 Bxe6 10.Bxd6 Re8 É uma posição crítica para avaliação da variante.]

8…b5?! Na famosa partida Kasparov-Spassky, esse gambito foi tentado sem os lances h6 e Be3. Analisando a partida, Kasparov não aprova a idéia. Eu tinha uma experiência anterior nesta variante contra Lindolfo Silva, onde venci mas passei longe de convencer. …Desta vez, estava melhor preparado.

9.cxb5 a6 10.a4 Qa5 11.Bd2± axb5 [11…Qb4?! 12.f3 Qxb2? 13.Rb1 Qa3 14.Rb3 custaria a Dama para as pretas.]

12.Bxb5 [12.Nxb5 Qd8 13.Qc2 seria uma interessante alternativa.]

12…Na6 13.Nge2N Este lance não é nehuma preparação especial, simplesmente me ocorreu durante a partida, e é bastante lógico.

13…Nb4 14.0–0 Ba6 15.Ra3 lance profilático típico em posições de Gambito Volga. A idéia é que depois de eventuais tocas em b5, a torre está defendida.

15…Qc7 16.Qb3 Rfb8 17.Bxa6 Nxa6 18.Nb5 Qc8 [18…Nxe4? 19.Qd3+-]

19.Qc2 Nb4 20.Qc4 Na6 21.Bc3 Com este lance, combato o Bispo de g7, e preparo e5, que é o lance mortal nestas estruturas de Benoni.

21…Nd7 [21…e5 22.dxe6 Nd7 23.Bxg7 Kxg7 24.Rh3 Nf6 25.f4 Nb4 26.b3 Rb6 27.Rd1 Qb7 28.Nec3 Rd8 29.Qe2 Qc8 30.Na3 c4 31.Qg4 Kg8 32.Nxc4 Rb8 33.Ne3 Ne8 34.Rg3 fxe6 35.Qg5 Kf7 36.Rf1 Nf6]

22.Bxg7 Kxg7 23.Rh3 Agora as branc as melhoram uma peça, e quando tiverem que jogar b3, a torre ocupará uma ativa posição, ao contrário do que acontecia em a3.

23…Nf6 24.f4 Nb4 25.b3 [25.e5 Nfxd5 26.exd6 exd6 27.Nxd6 Qe6 daria chance às pretas. Como faziam Karpov e Petrosian, devemos evitar, se possível, qualquer risco desnecessário. É o que os teóricos chamam de Profilaxia (tentar evitar a ideia do adversário).]

25…Rb6 26.Rd1 preparando o mortal e5.

26…Qb7 27.Nec3 Rd8 28.Qe2 Qc8 29.Na3! lance que novamente melhora uma peça. A casa c4 é uma “mansão” para o cavalo.

29…Qg4? A posição é difícil mas, este lance perderia de imediato.

30.Rf3? Não compromete a vantagem, mas deixa escapar um simples arremate. A ideia fixa de manter as peças e ganhar por ataque, me impediu de ver o simples… [30.e5 dxe5 31.fxe5 Qxe2 32.exf6+ intermediário, garantindo vantagem material decisiva.]

30…Kg8 31.Nc4 Rbb8 32.Ne3 Qc8 33.e5!+- Esse é o lance que, quando jogado em boas condições, decide a partida a favor do branco.

33…Ne8 34.Rg3 [34.f5!? O Fritz 12 sugere outra maneira vistosa de acabar com a partida. 34…dxe5 35.fxg6 fxg6 36.Ng4! h5 (36…Qxg4 37.Rf8++-) 37.Nh6+ Kh7 38.Nf7 Rd7 39.Qe3 E o ataque é irresistível.]

34…dxe5 35.fxe5 e6 Aqui fui surpreendido com uma oferta de empate do meu adversário. Eu tinha um minuto,no relógio, mais o incremento. A verdade, é que a partida já está decidida.

36.d6 Nc6 37.Ng4! Nd4 38.Qd2 [38.Nxh6+ Kg7 39.Qh5+- era outro caminho possível.]

38…h5 39.Nh6+ Kg7 40.Qg5 [40.Nxf7 Kxf7 41.Qg5 também decide. Agora a ameaça Cxf7 é imparável.]

40…Rxb3 [40…Qd7 41.Rf1 Nf5 42.Nxf5+ exf5 43.Rxf5+- e posição das pretas seria terminal também.]

41.Nxf7 Um lance óbvio e ganhador.

41…Ne2+ 42.Nxe2 Rxg3 43.Qh6+! A partida já estava decidida, mas este é o jeito econômico de resolver as coisas.

43…Kxf7 44.Rf1+ Trazendo mais uma peça para ajudar no ataque, e como diz o meu ex-professor, o MI Hélder Câmara: ” Com Pelé (Dama) e Coutinho (Torre) perto da área, é gol!”

44…Nf6 45.Qh7+ Ke8 46.Qe7# E para homenagear o meu aluno André Yoshioka, o rei do “beijo fatal”, termino a partida com o seu mate. Nesta partida, consegui, através de medidas preventivas, conter o ímpeto de ataque do meu talentoso e agressivo adversário, sem dar contrajogo. Espero dar um descanso para a caneta de “Volodya”, e que os fluídos da caneta me ajudem a jogar um bom xadrez… Com este artigo, inauguro minha colaboração com o portal Xadrez Total.com.br No meu próximo artigo, falarei pela primeira vez sobre a minha participação como treinador na última Olimpíada, analisando as participações das equipes brasileiras, em especial a feminina, além de trazer algumas curiosidades, bastidores e também analisar algumas partidas das nossas destemidas jogadoras. 1–0

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *