Rating – Parte III

Por AI Mauro Amaral e AI Marius Rombout van Riemsdijk

Uma das grandes vantagens de escrever sobre um assunto é o quanto aprofundamos nosso conhecimento sobre o mesmo no processo (o mesmo vale para ensinar). Mesmo árbitros experientes podem descobrir algo inesperado no processo e foi exatamente isto o que aconteceu com este artigo. Já havíamos escrito os seis parágrafos abaixo quando a surpresa aconteceu.

“Ok!” você diz. “Já vimos o que rating significa; vimos como, onde, quando e porque o sistema Elo foi desenvolvido; comparamo-no brevemente ao sistema Harkness; também vimos como calcular performances.” “Cui bono?” você pergunta; “como faço para conseguir meu rating e com quanto eu começo?”

Para responder essa pergunta, vamos nos concentrar no rating Fide. Embora os ratings publicados por outras entidades possam também ter algum valor, nenhum alcança a universalidade e credibilidade do publicado pela Federação Internacional. Daqui por diante, qualquer referencia a rating implicará em rating Fide, a não ser que indicado em contrário

Pelo regulamento atual, para obter rating, um jogador precisa enfrentar pelo menos nove adversários que já tenham rating publicado em torneios válidos para tanto. Isso pode ser feito num único torneio, ou em blocos de, no mínimo, três partidas.

Mesmo que um jogador forme seu rating num único torneio, costuma-se falar de bloco ainda assim. Os blocos devem ser conseguidos todos num período de, no máximo, dois anos. Há restrições adicionais. No primeiro bloco, o jogador deve conseguir, no mínimo, um ponto contra os adversários com rating. Além disso, o bloco deve ficar acima do patamar mínimo de rating da Fide (atualmente, 1200). Cumpridos todos esses requisitos, o jogador terá seu rating inicial publicado na próxima lista da Fide.

E como saber qual o rating alcançado? Suponha que um jogador forme seu rating num único torneio. Caso ele tenha um aproveitamento igual ou pior que 50%, a seu bloco será atribuído um valor (Pr) igual ao seu rating-performance (fórmula 3.1 abaixo). Caso contrário, ao rating médio de seus adversários será somado 12,5 para cada meio ponto conseguido acima de 50% (fórmula 3.2 abaixo).

Pr = Rp [P≤50%]                                              (3.1)

Pr = Rc + 25 * (W – 0,5 * n) [P>50%]                 (3.2)

Onde W é a pontuação alcançada pelo jogador, n é o número de partidas dos blocos e os demais símbolos seguem as definições já apresentadas aqui e nos artigos anteriores.

Como exemplo, vejamos o desempenho de alguns jogadores sem rating no último Campeonato Brasileiro Amador, realizado durante o carnaval no Clube de Xadrez São Paulo. Josef Ponec terminou a prova na terceira colocação, com 5½ pontos nas sete rodadas disputadas. Todos seus adversários tinham rating, mas na primeira rodada Ponec venceu por ausência. Descontando-se essa partida (partidas não jogadas são desconsideradas para efeito de cálculo de rating), seu desempenho foi de 4½ em 6 (P = 75%, portanto aplicaremos a formula 3.2). Seu Rc foi de 1958, assim seu bloco (Pr) é de 1996 [1958 + 25 * (4,5 – 0,5 * 6) = 1995,5 que é arredondado para cima]. Victor Cavinato Moura também fez 5½ mas, com pior desempate, foi o quarto colocado. Todos seus adversários tinham rating, numa Rc de 1923 (novamente, utilizaremos 3.2). Assim, seu Pr foi de 1973 [1923 + 25 * (5,5 – 0,5 * 7)]. Eduardo de Aquino Gambale terminou na nona colocação, com 5 pontos. Seu adversário da segunda rodada, a quem Gambale venceu, não tinha rating e o Rc dos demais é de 1831. Assim, seu desempenho foi de 4 em 6 (P = 67%). Seu Pr foi de 1856 [1831 + 25 * (4 – 0,5 * 6)]. Para ilustrar o uso da fórmula 3.1, usaremos como exemplo o jogador Evandro José Coronado, que terminou a prova com três pontos. Seu adversário da sexta rodada, com quem empatou, não tinha rating. Assim, seu desempenho foi de 2½ em 6 (P = 42%) contra um Rc de 1815. Como ditado por 3.1, seu Pr é igual ao seu Rp (rating-performance), que calcularemos de acordo com a fórmula 2.1, vista no artigo anterior. O Dp correspondente a 42% é de -57, assim seu Pr é de 1758 [1815 – 57].

Agora já sabemos como calcular os blocos. E quanto ao rating inicial? No caso dum único bloco de nove ou mais partidas nada mais fácil: o rating inicial é igual ao Pr do bloco. E se forem precisos mais de um bloco para formar o rating? Nesse caso, calcule Pr para cada um dos blocos, conforme explicado no parágrafo anterior e o rating inicial (Rn) será igual à média ponderada dos blocos, usando o número de partidas do bloco como peso:

Rn = (Σ ni * Pri)/( Σ ni)                                 (3.3)

Aqui pretendíamos mostrar alguns exemplos, mostrando na prática como a fórmula 3.3 funciona e, para tanto, usamos a ultima lista da Fide, publicada em 1º de março. Logo percebemos que os valores calculados não correspondiam aos novos ratings publicados. Voltamos ao Handbook da Fide e percebemos que a mesma alterou o modo como ratings novos são calculados, invalidando o parágrafo anterior. Assim o reescrevemos abaixo:

Agora já sabemos como calcular os blocos. E quanto ao rating inicial? Nada mais fácil: consideram-se todos os blocos como se fossem conseguidos num único torneio e calcula-se o Pr equivalente. Como exemplo, consideremos o jovem Bruno Orlando Starke, que teve seu primeiro rating publicado na lista de março (o mais alto entre os 35 novos brasileiros na lista). Ele teve dois blocos, um conseguido na II Copa Cidade de Curitiba (4 em 6, contra um Rc de 2162) e outro no III Memorial José Jabur (1 em 4, contra um Rc de 2070). Assim, o bloco integrado é de 5 em 10 contra um Rc de 2125 [(2162*6+2070*4)/10], com um rating inicial (Rn) de 2125.

Fontes:

David Hooper & Kenneth Whyld; The Oxford Companion to Chess
Arpad E. Elo; The rating of Chessplayers – Past & Present
Bozidar M Kazic et all.; The Chess Competitor’s Handbook (capítulos sobre rating escritos por Elo)

www.wikipedia.org
www.google.com
www.fide.com
(Especialmente, o Fide Handbook)
www.serprofessoruniversitario.pro.br
www.matematiques.com.br
http://krikorsm.blogspot.com/
http://www.gutenberg.org/

Um comentário em “Rating – Parte III

  • 17 de março de 2011 a 17:45
    Permalink

    Parabéns por sua iniciativa de colocar bastante assunto sobre arbitragem em seu site e tirar duvidas de vários temas relacionado ao xadrez, quanto a sua home page, esta muito legal.

    Responder
  • 24 de abril de 2012 a 15:36
    Permalink

    Artigos muito interessantes, parabéns pela iniciativa O/

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *